História - por Leandro Sapiensa

Iniciei minha carreira na educação em 2005, logo após concluir a graduação em História na Unesp-Franca, retornando à Atibaia, cidade onde cresci. Um ano depois, comecei a trabalhar como professor do Colégio Atibaia, onde também fui estudante. Desde a faculdade, me interessei pela educação, acreditando que esta é de fato uma prática profissional que auxilia na transformação da vida das pessoas. Fui alfabetizador voluntário, quando tive contato com grupos de pessoas jovens e adultas excluídas do processo de formação escolar. Desde então, procurei aliar o conhecimento na área de humanidades, como meio para auxiliar na formação crítica, democrática e cidadã junto aos estudantes.


A busca por uma História reconstruída, a partir de referenciais contemporâneos, traz novas perspectivas, que fogem ao modelo antigo, enfadonho, eurocêntrico e “decoreba”. A Filosofia, por sua vez, estimula o raciocínio profundo e rigoroso, a capacidade de análise e leitura do mundo em que vivemos. O conhecimento construído a partir destas ciências, possibilita aos nossos jovens uma base de competências para compreender e agir sobre problemáticas da sociedade brasileira atual, bem como do contexto internacional, que afetam a Humanidade de maneira geral.


Há tempos tenho considerado a necessidade do uso das tecnologias digitais na educação, e de combinar o conhecimento técnico com a formação acadêmica, especificamente nas humanidades. Na tentativa de acompanhar e compreender as mudanças na educação do século XXI, os impactos das ferramentas digitais e da internet, fui atrás de uma formação mais ampla, e fiz duas especializações na UFSCar. Lá tive contato com modelos de ensino híbrido e novas possibilidades de atuação na prática docente, desenvolvendo pesquisas sobre recursos de mídias na educação, e ferramentas do ensino a distância na EaD. Desde 2018, passei a atuar na EaD, como tutor-coordenador do polo Mackenzie, com sede no Colégio Atibaia.


Em 2020, ingressei no mestrado profissional – ProfHistória – Unicamp, e estou na etapa final de desenvolvimento da pesquisa. O projeto consiste em um trabalho com fontes e interpretação de narrativas historiográficas, examinando possíveis convergências entre o ensino de História e as tecnologias digitais. Escolhi como objeto de estudo a Olimpíada Nacional em História do Brasil-ONHB, promovida pela Unicamp, e as experiências com a organização e orientação de estudos com equipes desde a primeira edição, em 2009. As discussões historiográficas envolvidas pautam-se por linguagens e referências decoloniais, não eurocêntricas, inclusivas das minorias, das periferias, da diversidade multicultural e intercultural brasileira. A organização por equipes, permite uma interação mais ativa, mais horizontal, e a mediação dos professores sobre o processo de pesquisa e realização das atividades propostas. O que vale, neste caso, é a capacidade de se organizar para aprender, colaborativamente, numa competição saudável. Podemos pensar então, sobre a educação histórica mediada por recursos digitais, sobre mudanças nas formas de ensinar e aprender História, a partir das impressões dos próprios estudantes e professores. Desta forma podemos compreender melhor, como escreveu o pensador alemão Nietzsche, “a utilidade da História para a vida”.



Leandro Sapiensa Galvão Leal


Professor de História, Filosofia e Atualidades.


Trabalhando na educação há 17 anos.


Formação acadêmica:

> Bacharel e Licenciado em História (Unesp)

> Pós-graduação/Especialização em Educação e Tecnologias (UFSCar)

> Mestrado Profissional em Ensino de História (Unicamp).

17 visualizações0 comentário